Notícias

OJÚ OMO apresenta resultados do projeto no Espaço Alagados em Salvador

O último fim de semana foi o momento de apresentação de resultados do Projeto OJÚ OMO – Olhar da Juventude no Espaço Cultural Alagados (bairro Uruguai, Salvador-BA). A iniciativa, que é uma realização da CESE e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), visa ao fortalecimento de jovens lideranças com idades entre 15 e 29 anos, ampliando seus conhecimentos sobre direitos humanos, direitos da população jovem, direitos sexuais e reprodutivos, com enfoque em gênero e raça, e estimulando a integração, a participação e a inclusão da juventude em diferentes espaços sociais e incidência política.

Crédito: Midiã Santana/UNFPA

Crédito: Midiã Santana/UNFPA

O café da manhã de recepção foi seguido de apresentação do histórico e resultados da iniciativa e exposição dialogada das reflexões dos jovens participantes extraídas por meio da metodologia de grupo focal. O relatório preliminar com essas avaliações sobre o projeto dá uma perspectiva sobre como a iniciativa influenciou na formação dos participantes.“A que mais me marcou [das oficinas] foi a de mídia. Hoje eu tenho um grupo na comunidade, (onde a mídia não passa, não chega até as comunidades pra mostrar o seu trabalho). Então, tudo o que acontece na comunidade, tudo o que eu vejo uma utilidade, eu tento tirar uma foto pra postar e mandar pros outros artistas verem, pra ir compartilhando e mostrando seus trabalhos. A gente mesmo já vai começando a trabalhar a comunicação, daí pega umas atividades em movimento, daí tira uma foto, a gente grava, posta, ai vai mostrando também e a gente tá forte” (depoimento anônimo).

Participaram do projeto as seguintes organizações CAMMPI – Comissão de Articulação e Mobilização dos Moradores da Península de Itapagipe; CESEP – Centro Suburbano de Educação Profissional; FES – Fórum de Entidades do Subúrbio; MCPS – Movimento de Cultura Popular do Subúrbio; MPP – Movimento de Pescadores e Pescadoras da Ilha de Maré; REPROTAI – Rede de Protagonistas em Ação de Itapagipe; SOFIA – Centro de Estudo; e também a Comunidade Quilombo Rio dos Macacos.