Programas

Programa de Pequenos Projetos

ATENÇÃO!
Informamos que os recursos do Programa de Pequenos Projetos estão esgotados. Em função disso a CESE suspendeu o recebimento de projetos para apoio em 2017.
Só serão cadastrados projetos cujas atividades tenham início na segunda quinzena de fevereiro

PROGRAMA DE PEQUENOS PROJETOS

O apoio a pequenos projetos foi uma escolha da CESE desde a sua fundação, em 1973, por entender a importância da participação direta da comunidade no desenvolvimento e gestão de iniciativas transformadoras de organizações – que vivem diariamente as consequências da extrema desigualdade social no país.

São iniciativas nas áreas de direitos humanos, meio ambiente, fortalecimento institucional, desenvolvimento econômico, educação, saúde popular, comunicação e cultura, demonstrando a visão plural e a capilaridade da instituição, que apoia uma diversidade de atores sociais que lutam por direitos em todo o país: jovens rurais e urbanos; crianças e adolescentes; mulheres; e populações tradicionais (indígenas, quilombolas, pescadores artesanais, entre outros).

O recorte em pequenos projetos se dá porque representam, em sua maioria, iniciativas locais que têm impedido, concretamente, que o processo de exclusão social tenha um efeito mais devastador, pois integram gêneros, etnias, segmentos diversos do campo e da cidade, em função da satisfação de necessidades coletivas.

 

“Eu acho que a CESE é uma das organizações mais beneméritas do nosso país, porque ela teve uma coerência do começo até hoje, ajudando e apoiando os grupos populares e aqueles que são mais vulneráveis.

Eu mesmo posso dar um testemunho. Quando criamos com muito risco, no tempo dos militares, a Articulação Nacional dos Direitos Humanos, a única instituição que teve coragem de nos auxiliar, sob grande risco – nós reunidos em Petrópolis, cercados pelas tropas – foi a CESE, com a cobertura do cardeal Paulo Evaristo Arns. A CESE é um organismo aberto, ecumênico, onde as pessoas de boa vontade das Igrejas se unem e escutam o grito dos oprimidos.” LEONARDO BOFF – TEÓLOGO E ESCRITOR  

 

Os projetos acabam ganhando um efeito semente, com poder multiplicador, capazes de ampliar seus resultados para além da população imediatamente atendida. Essa dimensão educativa também reforça nos grupos sua condição de sujeito nos processos de mudança.

 

“É de grande importância ter apoiadores como a CESE. Através de projetos apoiados conseguimos capitar recursos para conhecer espaços de articulação política e desenvolver trabalhos com os jovens de várias comunidades. Podemos também ocupar espaços que são nossos, com atividades realizadas por jovens negros e da periferia, que mostram que temos capacidade de articular e realizar bons trabalhos.”  JULIANA SANTOS – MOVIMENTO DE CULTURA POPULAR DO SUBÚRBIO (MCPS – BA)

 

A marisqueira e pesqueira, Marizélia Carlos Lopes, presidente da Colônia de Pescadores Z-4, é a líder da Comunidade Quilombola de Bananeiras, na Ilha de Maré, e já foi beneficiada pela organização. “A CESE, que nos apoia há mais de uma década, e conhece nossa luta, é quem nos encoraja a articular, com outras comunidades quilombolas, a regularização do Território das Comunidades Tradicionais Pesqueiras e a resistir e denunciar todas as situações de injustiça que passamos. Tenho paixão, respeito e compromisso pelo movimento. Hoje sou outra pessoa, tenho autoestima, tenho meu papel na sociedade e na comunidade. Não dependo de uma figura masculina. Sou marisqueira, pescadora, é o que eu escolhi fazer e tenho orgulho disso’’, avalia.

 

“O trabalho da CESE tem uma importância fundamental para nós cidadãos em processo de engajamento com a realidade social; para o Estado, porque acaba alertando para as políticas públicas se abrirem e reconhecerem os direitos de comunidades. E também para os grupos, que acabam adquirindo confiança, autodeterminação, capacidade de luta e de enfrentamento para fazer valer o que está previsto na Constituição.” CLÁUDIA CORREIA -REDE DE AMIGOS DA CESE

O Programa de Pequenos Projetos conta com o apoio das agências internacionais: Brot für die Welt, Heks/Eper, União EuroHeifer Internacional, Icco Cooperación, Misereor, Heks, FNV/Apletton, Terre des hommes schweiz e Terre des hommes suisse. Todos os anos, o PPP recebe entre 500 e 700 propostas e, após um detalhado processo de análise por uma equipe técnica, apoia em torno de 300 projetos.

Para enviar seu projeto, clique aqui.

Sobre o Programa de Pequenos Projetos em 2016:

Distribuição de Recursos por natureza:

Distribuição de Recursos por abrangência:

Distribuição de Recursos por região:

Por setores populacionais