Eleições 2018: Campanha convida para reflexão sobre o papel do voto para a transformação social – Ecumenismo | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Ecumenismo Notícias

Data: 06.08.18

Eleições 2018: Campanha convida para reflexão sobre o papel do voto para a transformação social

A atual realidade política brasileira, a retirada de direitos que atinge diretamente a população mais vulnerável e empobrecida, o desânimo do povo diante da péssima e irresponsável atuação de muitos parlamentares nas Assembleias Legislativas Estadual e Federal, o avanço de ideologias conservadoras alinhadas aos interesses dos grupos econômicos que insistem na lógica da concentração de poder, riqueza e destruição do nosso patrimônio ambiental nos convidam e nos desafiam a uma profunda reflexão sobre as consequências do voto ERRADO e, ao mesmo tempo, nos levam a uma necessária e urgente ampliação do debate  com o conjunto da sociedade sobre esses temas que nos últimos anos vêm sendo refletidos no conjunto das pastorais do campo, movimentos e organizações sociais na Bahia.

Diante desse cenário nasce a Campanha SEU VOTO VALE? ENTÃO, VOTE CERTO! #NenhumDireitoaMenos, inciativa de um coletivo de Pastorais, Organizações e Organismos da Bahia para incentivar: eleitores e eleitoras a refletirem sobre o papel de cada pessoa e do voto na transformação social; e a votarem CERTO em candidatos e candidatas comprometidos com a justiça social, com a perspectiva da garantia dos direitos nas eleições em 2018.

A campanha também pretende contribuir para o eleitorado pensar sobre a atuação dos/as deputados/as, senadores/as baianos/as e do/a presidente da República nesta última legislatura, convidando eleitores/as a perceber se de fato o seu voto tem o poder de mudar ou se esse instrumento politico não passa de um FAZ DE CONTA para legitimar os interesses de um Estado controlado por determinados setores do Judiciário, Executivo e Legislativo, historicamente patrocinados e financiados por grandes empresas, bancos e redes de rádios, jornais e televisão.

Também é preciso que cada eleitor/a analise se o conjunto dos parlamentares representa a CARA DO POVO BRASILEIRO. Podemos afirmar que o Congresso Nacional não representa nossa juventude, as mulheres, os grupos LGBT+, a população negra, os povos indígenas e as comunidades tradicionais. VOTAR CERTO nas próximas eleições é garantir que o povo brasileiro seja respeitado em seus direitos e representado, na sua diversidade cultural, religiosa e de gênero; É garantir a participação ativa do nosso povo nas decisões política e das instâncias de poder que existem em nosso país.

Sugerimos que o eleitorado pense bem sobre as consequências do seu poder de escolha e reúnam seus pares para investigar a trajetória política dos/as candidatos/as, seus projetos políticos, para que os resultados das eleições representem, de fato, os legítimos anseios, necessidades e interesses do povo brasileiro.

A partir de hoje até 6 de outubro, você pode contribuir com a campanha, que esclarecerá pontos importantes do cenário eleitoral, como a importância de não anular seu voto; o nome e partidos de quem já votou a favor de muitas perdas de direitos; a importância de ampliar a participação da mulher, da juventude, população negra e indígena no parlamento; a renovação do Congresso; questões ambientais, terra água e território e os conflitos a partir da defesa dos territórios; e a intolerância religiosa e suas consequências.

PARTICIPE! Compartilhe nossos conteúdos, promova rodas de diálogo e apresente o conteúdo da campanha em suas paróquias e comunidades e participe de nosso ato de lançamento. Assim construiremos uma VERDADEIRA DEMOCRACIA a partir do PODER POPULAR.

 

Salvador, 1 de agosto de 2018

Ação Social Arquidiocesana – ASA
Cáritas Brasileira Regional Nordeste 3
Centro de Estudos Bíblicos – CEBI
Comissão Pastoral da Terra – CPT
Comunidades Eclesiais de Base – CEBS
Conselho Pastoral dos Pescadores – CPP
Conselho Ecumênico Baiano de Igrejas Cristãs – CEBIC
Coordenadoria Ecumênica de Serviço – CESE
Frente de Evangélicos Pelo Estado de Direito
Pastoral da Juventude – PJ