Maior crime socioambiental ocorrido no Brasil completa dois anos – Ecumenismo | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Ecumenismo Notícias

Data: 04.11.17

Maior crime socioambiental ocorrido no Brasil completa dois anos

Em cinco de novembro de 2015, o rompimento da barragem da Samarco (controlada pela Vale e BHP Billiton), em Mariana (MG), provocou a morte de dezenove pessoas. A lama atingiu os principais rios da região.

Passados dois anos, o crime continua impune, ou seja, as empresas responsáveis não foram condenadas. Ainda se espera pelo reassentamento, pela indenização, pelo rio límpido, cujas ações de reparo enfrentam atrasos e manobras legais.

A CESE se solidariza às populações atingidas por essa tragédia. Que a natureza duramente golpeada pela lama tóxica seja restaurada em toda sua riqueza. Que o Brasil reveja a legislação para a concessão de extração mineral, evitando que as populações e natureza paguem um alto custo pela ação danosa e irresponsável dessas empresas. Reafirmamos nosso compromisso por um outro modelo de desenvolvimento que respeite a sociobiodiversidade e o bem viver.

Na 17ª edição de sua Campanha Primavera pela Vida, este ano a organização traz à discussão o modelo mineral no Brasil, e como ele produz injustiças sociais e ambientais. O tema desta edição é: Mineração aqui não: o clamor dos povos e da terra ferida.

A expansão ilimitada da extração e consumo de minérios, além de ultrapassar os limites do meio ambiente, afeta diretamente o modo de vida das populações tradicionais, viola seus direitos, e gera conflitos territoriais. A partir disso, a CESE propõe debater o tema com a sociedade e pensar quais são as alternativas contrárias à lógica perversa do capital, para beneficiar as populações locais e diminuir as desigualdades.