‘Bem Viver: Esperança, Resistência e Profecia” é tema de Roda de Diálogo Ecumênica – Ecumenismo | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Ecumenismo Notícias

Data: 25.10.19

‘Bem Viver: Esperança, Resistência e Profecia” é tema de Roda de Diálogo Ecumênica

Cáritas Brasileira Regional Nordeste 3 – Bahia e Sergipe e CESE promoveram na última sexta, 25, uma Roda de Diálogo Ecumênica com a presença de Graciela Chamorro, teóloga, doutora em antropologia e professora de História Indígena na Universidade Federal da Grande Dourados (Mato Grosso do Sul) e o professor Rafael Silva, da Universidade Federal do Ceará e doutorando em Sociologia pela Universidade de Coimbra (Portugal).

A Roda teve como tema o ”Bem Viver: Esperança, Resistência e Profecia” e aconteceu no  Auditório do Convento São Francisco, Pelourinho. A atividade fez parte da programação da 3a Feira de Sabores e Saberes, promovida anualmente pela Cáritas, com apoio da CESE,  que aconteceu de 24 a 27 de outubro.

A teóloga Graciela Chamorro apresentou o conceito do bem viver  como uma concepção de vida proveniente dos povos indígenas andinos, da Bolívia e do Equador, além dos povos Guarani do Brasil e do Paraguai: Suma Qamaña em aimara, Sumak Kawsay em quechua, Teko Porã em guarani.  Segundo esta concepção, não existe de um lado o ser humano e de outro a natureza, mas todos – seres humanos e demais seres – fazem parte da natureza. Com ela devemos viver de forma harmoniosa: para a perspectiva do Viver Bem, a natureza não é um objeto; não é uma fonte de recursos e matérias primas; é um ser vivo. Esta dimensão ecológica da realidade reconhece que a natureza é indivisível e intrinsecamente imbricada à vida dos seres humanos, parte da natureza. “O bem viver é direito de todos os seres. Não apenas aos direitos humanos. Faz resistência a tudo que coloca em risco a sobrevivência dos seres na Terra. É completa: “A Terra é a base que o sustenta. É o elemento sagrado onde se vive e se ancora.”, afirmou a teóloga.

Rafael Vieira salientou as dimensões da esperança e da resistência como expressões do bem viver. Segundo Vieira, a expansão do bem viver exige uma transformação profunda de condutas pessoais e sociais, bem como uma mudança profunda na economia global, na atuação dos estados, mas é um caminho a ser percorrido a partir de condutas pessoais, de consumo consciente no nosso dia a dia e da organização social, que deve ser um instrumento de disputa política. O que eu preciso de fato? o que é supérfluo?  A valorização da agroecologia e da economia solidária, como essa feira promovida em Salvador pela Cáritas, são exemplos concretos de iniciativas de um modelo de produção coletiva, que envolvem ”os sabores e saberes” e  dialogam e respeitam nossa casa comum.

“Eles combinaram de nos matar, mas nós combinamos de não morrer”, a famosa frase atribuída à Conceição Evaristo foi trazida pelo professor como a resistência é um instrumento de disputa coletiva na dimensão do bem viver.