Campanha Primavera para a Vida 2022 – Painel Marketing Home | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Data: 02.09.22

Campanha Primavera para a Vida 2022

A Campanha Primavera para a Vida chega ao 22º aniversário com uma importante trajetória em prol dos direitos humanos, justiça, paz, diálogo ecumênico e inter-religioso. Neste ano, a iniciativa abraça o tema “Andar com Fé pelos caminhos da Democracia:Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como desculpa para fazer o mal; 1 Pedro 2.16a” trazendo a discussão sobre o momento político vivido pelo Brasil de ataques constantes contra suas instituições democráticas e o compromisso da organização com a sua radicalidade.

Em tempos de crescimento das ondas ultraconservadoras, aprofundamento das desigualdades, e ameaças de golpe, a CESE retorna à sua história, de organização ecumênica fundada no período da Ditadura Militar para ser uma diaconia de justiça social e de serviço, e reafirma a defesa de um sistema político que assegure o respeito aos direitos humanos e às liberdades.

A proposta é não só abordar a democracia e sua importância para superação das desigualdades históricas, enfrentamento às violações sistemáticas aos direitos, aos fundamentalismos e ao racismo religioso, mas também trazer reflexões e discussões que estimulem força, paz e resiliência nesses tempos.

A inciativa acontece durante a primavera e terá diversas ações, entre elas, evento público, mística, e subsídios bíblicos. Acompanhe a programação da campanha nas redes da CESE!

Histórico da campanha

Realizada desde o ano 2000, a Campanha Primavera para a Vida tem o objetivo   ampliar a articulação com as bases das Igrejas através disponibilizando estudos bíblicos inspirados em demandas sociais vivenciadas pela organização através da sua Diaconia pela defesa de direitos.  A cada ano é escolhido um tema e são oferecidos subsídios bíblicos e teológicos para que as igrejas trabalhem nas suas reuniões, encontros, catequeses, estudos bíblicos e escolas dominicais. Os temas abordados expressam o nosso compromisso de estimular e contribuir com as igrejas em suas reflexões e posicionamentos na afirmação de uma Diaconia Ecumênica de Direitos e da Casa Comum como espaço de pluralidade e diversidade onde todos e todas tenham direito à vida digna.

A Campanha busca associar a temática da justiça, paz e integridade da criação a outros temas de interesse da sociedade. Em sua primeira edição, trabalhou o tema “Vamos todos juntos semear justiça”. Na edição de 2002, refletiu sobre a necessidade de “Semear solidariedade e paz”. Em 2003, voltou-se para uma das carências que mais aflige o país e clamou por “Pão e paz”. Em 2004, buscou animar a juventude brasileira a se engajar na construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva, com o tema “Juventude e paz”. E em 2005, exortou a sociedade a sonhar com uma “Cidade de paz”.

Os anos seguintes abraçaram as seguintes reflexões: “Mulheres e homens construindo cidades de paz” (2006); “Direitos e justiça para a paz” (2007); “Direitos e justiça: uma ação para crianças” (2008); “Direitos e justiça” (2009); “Justiça ambiental” (2010); “Direitos e justiça ambiental: cuidar de nossa casa comum” (2011); Justiça ambiental na perspectiva de direitos (2012); “Direitos humanos, desenvolvimento e justiça” (2013); O bem que você faz muita gente compartilha” (2014); “Eu respeito a diversidade religiosa e você?” (2015); “Direito à vida da juventude” (2016); “O clamor dos povos e da terra ferida: mineração aqui não!” (2017); Bem-aventuradas as vidas que defendem os direitos, a justiça e a paz” (2018); “Águas da resistência – ‘Porque tive sede e me deste de beber´ (Mt. 25,35b)” (2019); “As fomes do povo e as partilhas do reino de Deus em tempos de pandemia – ‘Porque tive fome, e me destes de comer’ (Mt 25.35a)” (2020); “Buscar a verdade: um compromisso de fé. ‘’Guarda os teus lábios de falarem enganosamente, quem diz a verdade manifesta a justiça’’. Pv 12:17a. (2021). E essa ano, a campanha chama para o tema “Andar com Fé pelos caminhos da Democracia: Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como desculpa para fazer o mal; 1 Pedro 2.16a”.