CESE apoia projeto de fortalecimento institucional da União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira (Umiab) – Movimentos Sociais | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Movimentos Sociais Notícias

Data: 27.04.22

CESE apoia projeto de fortalecimento institucional da União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira (Umiab)

Através do Programa de Pequenos Projetos, mulheres indígenas avançam no desenho estratégico da atuação do movimento

 

A União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira (Umiab) está comprometida em fortalecer o movimento pelos direitos dos povos originários nos nove Estados da Amazônia, onde tem representações e empreende ações coletivas. Para montar as estratégias de trabalho de modo horizontalizado e envolvendo lideranças de toda região, está em curso o planejamento estratégico da organização, que teve apoio do Programa de Pequenos Projetos da CESE. Realizado de modo participativo, esse planejamento fortalece as relações com as bases, além de garantir transparência e comunicação, traçando os rumos da ação conjunta de enfretamento às frequentes violações.

O fortalecimento institucional permite também encorpar as estruturas de funcionamento e governança da União, que articula os movimentos de mulheres indígenas brasileiras. “Esse planejamento estratégico é de grande relevância para o fortalecimento da capacidade, não só da organização, mas também a capacidade das mulheres indígenas de fazerem a incidência política dentro da organização. Nos traz uma construção, um planejamento, uma meta para que nós possamos avançar”, afirma Telma Taurepang, coordenadora geral da UMIAB.

Taurepang explica que o movimento de mulheres indígenas tem uma atuação hoje concreta contra a violência, a favor da demarcação. “A luta pela demarcação dos nossos territórios contra todo o retrocesso de um governo capitalista, de um governo anti-indígena”. Diante desse cenário e da necessidade de avançar na garantia dos direitos dos povos originários – e especificamente as questões de gênero que afetam as mulheres indígenas -, a Umiab compreende a urgência de planejar as ações estratégicas, bem como criar condições para continuidade do trabalho da entidade. “Também é um ponto importante para nossa atuação o avanço das mulheres indígenas. Elas têm ocupado e podem ocupar mais espaços. As mulheres indígenas precisam avançar e ter mais voz”, acrescenta a líder.

Para garantir a participação de representantes dos estados da Amazônia brasileira, a Umiab está realizando o planejamento estratégico de modo remoto, através de oficinas e reuniões virtuais. Depois de concluída a fase de montagem das estratégias, as integrantes da União terão encontros de monitoramento do plano construído, além do suporte de assessoria jurídica. “Isso representa para nós, uma organização mais forte, mais comprometida, mais autêntica com as nossas bases, o fortalecimento da nossa organização e um processo positivo para as mulheres indígenas” compartilha a líder.

Agenda das Mulheres Indígenas – A agenda de defesa dos direitos das populações indígenas é uma das razões de existência da Umiab, associação criada em 2010 e registrada oficialmente em 2013. Desde seus primeiros momentos, a organização concentrou seus esforços em dois campos de atuação: discussões, elaboração e negociações de projetos e participação na agenda de luta do movimento indígena. Espaço de fortalecimento da participação política das mulheres indígenas, a União apoia, soma e está ao lado das lutas das comunidades e organizações indígenas, principalmente na luta pela terra, autossustentação, saúde e educação.

“A Organização Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira vive um processo de fortalecimento institucional, do qual a CESE faz parte diretamente. A CESE nos dá apoio para fortalecer a nossa organização. E isso para nós, representa avanço: representa companheirismo, representa o fortalecimento das nossas integrantes” conclui Telma. A organização tem atuação ativa para mobilizar parcerias a fim de viabilizar as ações empreendidas dentro e fora dos territórios.