CESE e Cáritas realizam Painel Ecumênico com Nancy Cardoso e Marcelo Barros – Ecumenismo | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Ecumenismo Notícias

Data: 09.11.18

CESE e Cáritas realizam Painel Ecumênico com Nancy Cardoso e Marcelo Barros

O Museu de Arte da Bahia recebeu centenas de pessoas para ouvirem as inspirações proféticas do monge beneditino Marcelo Barros e da pastora metodista e filósofa feminista Nancy Cardoso. Barros e Nancy se reuniram no dia 08 de novembro, em Salvador (BA), no Painel Ecumênico “Escutar os clamores: A resistência popular tece a esperança!”. Realizado em parceria entre a CESE e Cáritas Brasileira Regional Nordeste 3, a ideia do evento foi propiciar um momento de reflexão diante dos retrocessos em curso no Brasil.

“O país não mudou, o que mudou foram as correlações de força”, anunciou Nancy Cardoso, na tentativa de jogar luz sobre o cenário pós-eleições. O avanço na garantia de direitos por parte de movimentos feministas, de mulheres, de populações tradicionais, indígenas, LGBTQI, entre tantos outros, é apontado pela teóloga como a causa do revanchismo das elites. Estas últimas, nesse sentido, rearticularam-se e correlacionaram forças com alas conservadoras de outros setores – como político, militar, do agronegócio, bancada religiosa. “E se voltaram contra nós”, detalha Nancy.

Focando no campo das confissões de fé, Nancy aborda o poder do fundamentalismo – o qual tem o poder de paralisar o processo interpretativo e, assim, a capacidade de intervir (colocando essa interpretação no ideário do mercado). “Vamos precisar de muitos espaços para refazer as perguntas e as respostas. “Vamos ter que disputar a palavra de Deus e reaprender a fazer a leitura da Bíblia”, aponta a pastora para a necessidade de rearticulações populares para a disputa dessas narrativas fundamentalistas, a fim de caminhar na direção da radicalização da democracia e da garantia de direitos.

A rediscussão da dimensão de lutas de classes dentro das identidades (por exemplo, negras, feministas, indígenas, quilombolas) será o ponto de virada para a criação de uma maioria trabalhadora, na visão da teóloga. “Precisamos retomar nossa capacidade de nos entendermos como classe trabalhadora. Vamos ter que nos reencantar”.

Devemos contar com as instituições religiosas para atravessar esse momento de disseminação de ódios e intolerâncias? Para o monge beneditino, Marcelo Barros, o voto expressivo de fieis de igrejas cristãs no presidente eleito encontra respaldo institucional nas igrejas.

A aposta é constituir nos próprios grupos populares células de resistência e não esperar pelas instituições, orienta Marcelo Barros. A gente tem que descobrir a sinergia do amor para reorganizar a esperança, retomar fé revolucionária para libertar Deus, vivendo amor solidário, amor universal na luta de classes.”

Apresentações musicais e expressões poéticas também permearam o painel, que integra a programação da Semana da Solidariedade, realizada em parceria entre a Cáritas Brasileira Regional Nordeste 3 e a Coordenadoria Ecumênica de Serviço. As entidades celebram 30 e 45 anos, respectivamente, na luta pela defesa e garantia de direitos.