CESE realiza 2ª Etapa do Curso sobre Incidência Política – Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Notícias

Data: 03.12.19

CESE realiza 2ª Etapa do Curso sobre Incidência Política

Entre os dias 25 e 29 de novembro, movimentos sociais e organizações populares de várias localidades do país participaram da 2ª Etapa do Curso sobre Incidência Política, realizada na sede da CESE, em Salvador (BA). Estiveram presentes movimento ecumênico e de mulheres negras, juventude negra, e populações tradicionais como povos indígenas, comunidades quilombolas, catadoras de mangada e fundo e fecho de pasto.

Compuseram a programação deste segundo momento de formação: aprimoramento de marcos legais no campo de direitos, limites e possibilidades da comunicação para luta por direitos, estratégias de monitoramento e avaliação das ações de incidência.

Essa etapa do curso foi muito importante, pois nos alerta para o que está acontecendo no nosso país e como podemos utilizar as leis ao nosso favor. Pude conhecer as experiências das outras organizações e refletir que o aquilombamento é uma das estratégias de proteção. ”, conta Sheyla Klícia Silva da Rede de Mulheres Negras da Bahia.

A formação contou com a participação de organizações parceiras para colaborar na facilitação do curso. A Associação de Advogados/as de Trabalhadores/as Rurais da BAHIA (AATR-BA) contribuiu com a partilha de conteúdo sobre a diversidade de instâncias dos órgãos municipais, estaduais e federais em que se pode fazer incidência e os instrumentos legais cabíveis em cada uma delas. Houve também atividades práticas e utilização de ferramentas com foco na elaboração de instrumentos como habeas corpus, por exemplo.

O Odara – Instituto da Mulher Negra e o Coletivo Baiano Pelo Direito à Comunicação (CBCOM) contribuíram na formação com a discussão sobre importância de construir estratégias de comunicação, disputar narrativas com a grande mídia e utilizar os recursos alternativos para se fazer ouvir.

Alane Reis, comunicadora do Odara e também integrante da Revista Afirmativa, descreve que apesar das dificuldades de quebra da hegemonia da mídia, grupos historicamente oprimidos vêm traçando estratégias de comunicação: “A comunicação é um traço cultural humano e mesmo com o controle de quem pode falar e do que pode ser falado, mulheres negras escravizadas de Minas Gerais e da Bahia se articulavam na luta através do Correio Nagô”. E completa: “Apesar da conjuntura genocida, continuamos na resistência colocando em pauta nossas culturas e identidades locais, porque somos especialistas da nossa própria comunicação e produzimos nossas próprias narrativas.”.

Para entender a importância da mobilização de parceiros/as para o êxito de ações de incidência, os/as participantes visitaram o Parque São Bartolomeu, localizado no subúrbio ferroviário de Salvador (local onde organizações populares, grupos de cultura e de juventude resistem para preservação e manutenção da área).  O momento foi de vivência com riquezas naturais da região, repleta de matas e cachoeiras, mas também de debate e troca de experiência sobre as formas de resistir para permanecer em seus territórios.

A formação integra o “Virando o Jogo”, programa de apoio ao fortalecimento de organizações nas áreas de mobilização de recursos locais e incidência política, incluindo atividades de formação presenciais e a distância. “Virando o Jogo” é uma iniciativa da agência de cooperação holandesa Wilde Ganzen, em conjunto com Smile Foundation (Índia), KCDF (Quênia) e CESE (Brasil), com o apoio do governo holandês.