CNBB, OAB, ABI e Comissão Arns se unem em defesa da democracia – Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Notícias

Data: 16.03.20

CNBB, OAB, ABI e Comissão Arns se unem em defesa da democracia

Por Ricardo Kotscho – Colunista do UOL – 15 de março de 2020

Ao mesmo tempo em que grupos bolsonaristas estão indo às ruas contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal, as principais entidades da sociedade civil, que tiveram importante papel na redemocratização do país nos anos 1980, voltam a se unir novamente, pela primeira vez, para alertar a nação de que “é urgente neutralizar as ameaças às instituições”.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), Felipe Santa Cruz, presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), José Carlos Dias, presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns e Paulo Jeronimo de Souza, presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) assinam o manifesto “Em defesa da democracia”, publicado neste domingo na Folha.

São as mesmas entidades que se mobilizaram na campanha das “Diretas Já”, em 1984, contra a ditadura militar, em defesa da volta do Estado Democrático de Direito.

“É preciso reafirmar, no momento atual do país, com todas as nossas forças, que democracia é o único regime político capaz de implementar a sociedade prevista na Carta Cidadã (…) Por isso, é incontestável e merece defesa a democracia no Brasil, fruto sofrido e amadurecido da redemocratização inspirada na ação de destacados atores políticos, aos quais reverenciamos; entre eles, um povo que soube conquistar a liberdade e os direitos confiscados”, diz o texto.

Quase meio século depois daquela que foi a maior campanha cívica da história do país, levando milhões de pessoas às ruas, as mesmas entidades voltam a ser protagonistas de uma sociedade civil que andava adormecida após a conquista das eleições diretas para presidente da República.

Diante das constantes crises entre Executivo, Legislativo e Judiciário, o documento lembra que “os Poderes exercem funções diferentes, mas nenhum é maior do que outro. Sem eles não há democracia (…) Não se pode, absolutamente, fomentar o risco de levar os brasileiros ao caos do enfraquecimento e até à destruição de nossa democracia (…) Por isso, preocupados com os riscos do clima de afrontas e de fomento à intolerância, juntemos forças em nossas entidades para levar esta mensagem ao povo brasileiro”

No final do manifesto, as quatro entidades fazem uma convocação ao país:

“Marcados pelo sentido de solidariedade, sintam-se todos convocados a gestos e compromissos com a vida, superando bravamente as crises humanitárias, efetivando ações que façam o conjunto da sociedade brasileira trilhar os caminhos da Justiça, com lógicas e dinâmicas novas, na verdade e pela paz!”.

Falta definir quais serão os próximos passos e os objetivos desse movimento, para que tudo não fique apenas nas belas palavras de um sermão de domingo e em reuniões fechadas de seus dirigentes.

Em 1984, não havia mais ninguém para defender o governo militar, mas agora é o contrário: são as forças governistas que se mostram organizadas e mobilizadas para defender Bolsonaro, com ou sem coronavirus, e os partidos de oposição não conseguem se unir em torno de um programa comum em defesa da democracia ameaçada.

Se, antes, a luta era pela reconquista da democracia, agora, é para não perder os direitos e a liberdade que foram duramente conquistados.

Vida que segue.