Confira o artigo que abre a série especial “Não bote fé nas fake news”, uma iniciativa do Le Monde Diplomatique Brasil​ em parceria com a CESE – Ecumenismo | Movimentos Sociais | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Ecumenismo Movimentos Sociais Notícias

Data: 16.05.22

Confira o artigo que abre a série especial “Não bote fé nas fake news”, uma iniciativa do Le Monde Diplomatique Brasil​ em parceria com a CESE

Este artigo abre a série “Não Bote Fé nas Fake News”, nova produção do podcast Guilhotina, numa parceria do Le Monde Diplomatique Brasil com a CESE. Lançada nesta segunda-feira (16), a série irá tratar da relação entre as notícias falsas e as comunidades de fé e como essa união tem impactado a democracia brasileira. Ao todo, serão cinco episódios.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Romi Bencke é pastora da Igreja Evangélica de Confissão Luterana (IECLB) há vinte anos. Em 2012, tornou-se secretária-geral da relevante organização ecumênica que associa igrejas do Brasil em torno de causas comuns, em especial as dos direitos humanos, o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic). Ela foi vítima de ataques caluniosos em mídias sociais, várias vezes, por conta das ações do Conic na esfera pública. Essa violência verbal parte de pessoas que discordam da forma como os temas são considerados pelas igrejas da organização, da qual a pastora Romi é porta-voz, e são incapazes de tratar sua crítica de forma digna e civilizada.

A situação se agravou, em 2021, com a realização da Campanha da Fraternidade Ecumênica, promovida a cada cinco anos pelo Conic – uma extensão da histórica campanha da Igreja Católica, membro do organismo, a outras igrejas. O tema da campanha foi “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” e, apesar dele, muitas pessoas não desejaram dialogar sobre elementos desafiadores para as igrejas como a superação do racismo, a destruição do meio ambiente e o negacionismo em torno da pandemia de Covid-19, em meio à qual ocorreu a campanha.

Nesse novo contexto, além do conteúdo falso sobre a pastora Romi Bencke, disseminado principalmente por grupos católicos extremistas, liderados por integrantes da associação Centro Dom Bosco, que a acusavam de trabalhar para destruir a “verdadeira Igreja Católica Romana”, ela carregou o peso de ter que provar que o que circulava nas mídias sociais era falso. Além disso, mesmo vítima de calúnias, a secretária-geral do Conic ainda foi criticada como causadora das reações extremistas. Ocorreram consequências como o desconvite para palestras em eventos e a tentativa de manchar a sua imagem como pastora.

“Eu fui vítima várias vezes na história – quando espalharam as mentiras, quando as desmenti. Porque a imagem que fica é a de que você é a pessoa causadora do problema. Também me responsabilizaram. ‘Ah, mas você toca em assuntos que geram esse tipo de movimento’. Pessoas que você imaginava serem suas companheiras compram a narrativa, começam a te julgar. Também houve quem se afastasse até do Conic”, relata a pastora Romi Bencke com tristeza.

A secretária-geral do Conic conta ainda que tentou iniciar um processo judicial contra os promotores do ódio e das mentiras, porém não conseguiu seguir em frente por se tratar de algo profundamente desgastante e nocivo para ela. “O custo acaba sendo nosso. No meu caso, eu tive que fazer a transcrição das falas. Eu me senti violentada novamente e acabei desistindo. É difícil ter que ouvir tudo de novo. É preciso ter uma capacidade de resiliência muito forte”, desabafa.

O caso da pastora Romi Bencke, abordado no primeiro episódio da série especial “Não bote fé nas fake news” do podcast Guilhotina,  se une a outros tantos de pessoas que têm sido submetidas, sistematicamente, aos efeitos da circulação das chamadas fake news no ambiente das igrejas cristãs, evangélicas e católicas. O termo popularizado em inglês, que significa “notícias falsas”, não diz respeito apenas a notícias propriamente ditas, mas a todo e qualquer conteúdo que transmita informação sobre uma situação ou uma pessoa. Fake news são caracterizadas pela informação deliberadamente criada, com base em mentira e engano (manipulação de conteúdo), para atingir pessoas e grupos de quem se discorda e para se obter vantagem econômica ou política, com a interferência em temas de interesse público.

Leia o artigo completo no site do Le Monde Diplomatique Brasil

Ouça os episódios da série especial do podcast Guilhotina “Não bote fé nas fake news” em seu tocador de podcast favorito ou no site do Le Monde Diplomatique Brasil