Organizações religiosas e de direitos humanos promovem debate sobre os impactos das agendas fundamentalistas na vida das mulheres, povos originários e comunidades tradicionais – Ecumenismo | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Ecumenismo Notícias

Data: 15.03.21

Organizações religiosas e de direitos humanos promovem debate sobre os impactos das agendas fundamentalistas na vida das mulheres, povos originários e comunidades tradicionais

Foi realizado na última quarta-feira, 17/03, às 10h de Brasília, o evento online “Intolerância Religiosa no Brasil: Direitos Humanos – Novos Fundamentalismos – Exclusão”. A atividade ocorreu em paralelo à 46ª sessão ordinária de Direitos Humanos das Nações Unidas e teve como objetivo analisar e debater os impactos das agendas fundamentalistas na vida das mulheres, povos originários e comunidades tradicionais.

Organizações religiosas e de direitos humanos, entre elas a CESE, foram proponentes desta ação, que também teve como objetivo  ouvir especialistas da ONU sobre liberdade religiosa, referências internacionais aplicáveis em matéria de intolerância religiosa e os caminhos práticos para superá-los.

Os organizadores buscaram identificar as interconexões entre os diferentes fundamentalismos para a articulação e formação de alianças estratégicas entre diferentes grupos e movimentos. Compreende-se que os fundamentalismos resultam de estratégias que ameaçam e buscam controlar as democracias, afetando diretamente a defesa e ampliação dos direitos humanos, econômicos, sociais, ambientais e culturais. Os fundamentalismos desafiam as respostas desenvolvidas por organizações de direitos humanos e reduzem o espaço de participação da sociedade civil organizada.

A mesa foi composta por:

Ahmed Shaheed, relator Especial das Nações Unidas sobre Liberdade de Religião ou Crença;
Adelaide Lopes, Ñandesy Kaiowá (Pajé) membra da Aty Guasu Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul e do movimento de mulheres indígenas;
Wania Sant’Anna, historiadora, membro da Coalizão Negra por Direitos, com pesquisas no campo das relações de gênero e relações étnico/raciais. Ex-Secretária de Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro e atualmente vice-presidente do Conselho do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (IBASE);
Magali do Nascimento Cunha, doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, coordenadora do Grupo de Pesquisa Comunicação e Religião da INTERCOM (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação). Coordenou a pesquisa Fundamentalismos, crise da democracia e ameaça aos direitos humanos na América do Sul;
Romi Márcia Bencke, pastora, bacharel em Teologia pelas Faculdades EST, mestre em Ciência da Religião pela Universidade Federal de Juiz de Fora, secretária-geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC).

A mediação foi  realizada por Paulo Lugon, do Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

Link para acessar o evento: https://www.youtube.com/watch?v=2jUEWKofl3k

Organizações proponentes:

Conselho Indigenista Missionário – Cimi
Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil – CONIC
Articulação para o Monitoramento dos Direitos Humanos no Brasil – AMDH
Movimento Nacional de Direitos Humanos – MNDH
Coalizão Negra por Direitos
Fórum Ecumênico ACT Brasil – FE ACT Brasil
ACT Alliance
Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas – Ibase
Fundação Luterana de Diaconia – FLD
Sinfrajupe – Serviço Inter-Franciscano de Justiça, Paz e Ecologia
Coordenadoria Ecumênica de Serviço – CESE
Processo de Articulação e Diálogo Internacional – PAD
KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço
Red Latinoamericana Iglesias y Minería – IyM
DIACONIA
Misereor