Programação Completa – Do rio que era doce às águas do semiárido: Contradições do modelo mineral – Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Notícias

Data: 18.10.17

Programação Completa – Do rio que era doce às águas do semiárido: Contradições do modelo mineral

PROGRAMAÇÃO COMPLETA!
Salvador recebe mostra e ciclo de debates sobre impactos da mineração
Exposição discute modelo mineral brasileiro a partir do desastre em Mariana e dos danos causados pela mineração na Bahia.

Usando a arte para estimular o debate em torno do modelo mineral brasileiro, a exposição Do Rio que Era Doce às águas do Semiárido: os danos da mineração aos povos da caatinga e do cerrado baiano, chega à Universidade Federal da Bahia – UFBA, em Salvador, de 17 a 20 de outubro. .

A mostra nasceu meses após o rompimento da barragem de Fundão, que, em novembro de 2015, deixou a região de Mariana (MG) coberta por rejeitos tóxicos. O rastro de lama chegou até o oceano Atlântico e, com ele, cresceu também a necessidade de se discutir as ameaças socioambientais representadas pela mineração. A contaminação da água e do solo, o inchaço e a sobrecarga das capacidades dos municípios que abrigam barragens e os problemas de saúde de sua população são só alguns deles.

São Paulo foi a primeira cidade a abrigar a exposição, organizada pelo Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração. Passou por Belém (PA), Açailândia e São Luís (MA) e chega à Salvador. Assim, o debate ganha força e amplitude, associando o desastre em Mariana aos efeitos da mineração também na Bahia.

A exposição traz mais de 50 fotos sobre Mariana, sobre a mineração em territórios de diversos estados brasileiros, exibição de filmes, aulas públicas, rodas de conversa e palestras sobre o modelo mineral brasileiro. Merecem destaque a tela O Rio que Era Doce, de 14 x 3 metros, da artista plástica argentina, Leila Monségur, e as maquetes desenvolvidas por Ricardo Silly e Gabriela Vergara, que, com movimentos e sistema hidráulico reproduzem o complexo de Mariana antes do rompimento da barragem e logo após o desastre, com lama se espalhando – bastante didáticas, as maquetes ajudam o público a entender como funciona a mineração e a gravidade de seus impactos, especialmente em termos de contaminação da água.

Na Bahia, a exposição tem a co-organização da articulação local e está sendo organizada pelo Movimento pela Soberania Popular na Mineração – MAM, Comissão Pastoral da Terra – CPT , CUT e Conta com o apoio da Coordenadoria Ecumênica de Serviço – CESE e da Universidade Federal da Bahia.

Sobre o Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração:
Articulação de organizações, movimentos sociais, igrejas e pesquisadores, em atividade desde 2013. É uma das principais iniciativas nacionais que se organiza politicamente em defesa dos atingidos pela mineração e de seus territórios. Investe, também, em comunicação e formação sobre o tema.

Serviço:
Local: BIBLIOTECA CENTRAL DA UFBA – ONDINA
Horário: 9h
Evento gratuito