Senhoras de Rua: Documentário resgata história do movimento de mulheres negras – Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Notícias

Data: 26.11.18

Senhoras de Rua: Documentário resgata história do movimento de mulheres negras

  

Comerciantes, ruralistas, quilombolas, militantes e mulheres de axé tem a rua como espaço comum para a transformação e revolução, é essa história apresentada no documentário” Obirim Olodê: Mulheres Negras, Senhoras de Rua”. O lançamento reuniu segmentos diversos da luta negro feminina na última sexta-feira (24), no Centro Cultural da Câmara Municipal de Salvador.

O documentário foi produzido pela Rebento Produções, e a atividade é resultado do projeto desenvolvido pela Associação Cultural e Carnavalesca Afoxé Kambalagwanze com apoio da CESE e da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI). O filme retrata a luta e ações políticas de mulheres negras desde as primeiras formações do Movimento Negro Unificado (MNU) até a primeira Marcha Nacional de Mulheres Negras, que reuniu 50 mil pessoas, em 2015.

“A estratégia que o opressor usou para nos dilacerar foi esconder nossa história. Resgatar essas histórias é fundamental”, afirmou Suely Santos, representante da Rede de Mulheres Negras. Para Suely é necessário usar os recursos como o cinema e audiovisual para elaborar contra narrativas da história de luta de mulheres negras.

Segundo Suely, o  celular pode ser um recurso melhor empregado na reconstrução das história, sobretudo nos quilombos. “Precisamos fazer destes dispositivos instrumentos de luta”, apontou.

“Se estamos em nosso quilombo e temos um celular, é preciso registrar essas memórias, sobretudo contada por nossas mais velhas. Precisamos que a juventude saiba de onde veio e por onde vai”, descreveu.

Senhoras de Rua

Iracema Neves, à frente da Associação Cultural e Carnavalesca Afoxé Kambalagwanze destacou a urgência da politização de mulheres negras para a construção de um laço solidário. “Por aí a fora vemos a fragilidade política e até a dificuldade de conquistar o pão de cada dia de mulheres negras, por isso é importante que projetos como estes que possibilitam um laço solidário e político”, destacou.

Para Iracema o projeto é um caminho de fortalecimento das mulheres negras.  “Precisamos fazer uma grande corrente para formar uma trincheira de solidariedade e politização de mulheres”, reforçou. Para Daiane Silva, representante da Rebento Filmes, produtora formada apenas por mulheres, o documentário enaltece uma história que pouco estamos familiarizado pelos livros de história.

“Me sinto honrada de fazer parte de um trabalho desta dimensão que retrata a história de um movimento de mulheres negras” , afirmou Daiane. O documentário foi dirigido por Larissa Fulana de Tal, que assina trabalhos como “Lápis de Cor” (2014).“Foi uma aprendizagem para gente, especificamente neste documentário. Fomos mobilizadas também pois também estamos na rua filmando”, salientou Daiane.

Para Clélia Costa, secretária executiva da SEPROMI, o documentário registra um material que a juventude negra deverá ter orgulho em saber contar. “Com esse material é possível que a juventude tenha orgulho de nascer resultado e ser parte de uma descendência, cuja a ascendência  é rica em arte, cultura, formas de ser, estratégias e capacidade tecnológica”, afirmou. O projeto foi desenvolvido com o apoio do edital da Década Afrodescendente, da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE) e Rede de Mulheres Negras.

Fonte: Correio Nagô