Tupinambá: pelo direito de viver – Movimentos Sociais | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Movimentos Sociais Notícias

Data: 12.03.19

Tupinambá: pelo direito de viver

Com ameaças e violações recorrentes, lideranças Tupinambá de Olivença relatam, em vídeo, plano de assassinato denunciado no início deste ano

 

Por Assessoria de Comunicação da CPT e do Cimi

Os Tupinambá da Aldeia Serra do Padeiro, do sul da Bahia, Terra Indígena (TI) Tupinambá de Olivença, denunciaram no início do ano a autoridades públicas estaduais e federais, um ardiloso plano que previa incriminar os indígenas através de provas falsas implantadas em seus pertences, e ainda assassinar suas principais lideranças. No vídeo, disponível em cinco línguas (DE, EN, ES, FR), os Tupinambá relatam as recentes ameaças e como elas se relacionam com o histórico de violências e violações a que vêm sendo submetidos. Nesta semana, a indígena Glicéria de Jesus da Silva, conhecida como Célia Tupinambá, da TI Tupinambá de Olivença, levará à Organização das Nações Unidas (ONU), em Genebra, na Suíça, uma série de denúncias envolvendo a situação de ameaças contra o povo Tupinambá e as violações aos direitos dos povos indígenas do Brasil.

Em fevereiro de 2019, lideranças da Aldeia Serra do Padeiro, do povo Tupinambá, no sul da Bahia, denunciaram a autoridades públicas estaduais e federais um ardiloso plano visando assassinar indígenas que estão à frente da luta pelo território. Os atentados ocorreriam em falsas blitz de trânsito, em que se buscaria também criminalizar os indígenas, “plantando” drogas e armas em seus veículos.

Em carta-denúncia difundida em janeiro de 2019, a comunidade já havia indicado que as declarações e medidas do presidente Jair Bolsonaro vêm acirrando a violência contra os Tupinambá. O documento — que relata a longa trajetória do povo, pontuada por esbulho e outras formas de violência — pede providências às autoridades e o apoio da comunidade internacional.

Os ataques, enfatizam as lideranças da Serra do Padeiro, visam impedir a conclusão da demarcação da Terra Indígena Tupinambá de Olivença, que se arrasta desde 2004. Apenas a finalização desse processo pode garantir os direitos de indígenas e não indígenas, levando ao fim dos conflitos.

Na terça-feira (12) pela manhã, a indígena Glicéria de Jesus da Silva, conhecida como Célia Tupinambá, da TI Tupinambá de Olivença, falará na 40ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, durante uma reunião sobre situações de direitos humanos que requerem a atenção do Conselho. No mesmo dia, a partir das 10h no Brasil, a indígena participará de uma atividade paralela no Palácio das Nações, cujo tema é “A situação dos Direitos Humanos no Brasil”. A atividade é realizada por ABGLT, Artigo 19, Articulação para o Monitoramento dos Direitos Humanos no Brasil, Conectas, Cimi, Fian Brasil, Sociedade Maranhense de Direitos Humanos e Terra de Direitos. Ao longo da semana, a indígena permanecerá em Genebra e participará de outras atividades e reuniões com organizações da sociedade civil e membros da ONU.

O vídeo “Tupinambá: pelo direito de viver”, realizado por parceria entre CPT e Cimi, teve roteiro de Daniela Alarcon e Thomas Bauer, que também fez as filmagens e a edição do material.