CESE divulga carta de repúdio ao assassinato de liderança indígena no Mato Grosso do Sul

A líder indígena Marinalva Manoel, de 27 anos, foi encontrada morta na manhã do último sábado (1º de novembro), às margens da rodovia BR-163, próximo a Dourados, Mato Grosso do Sul.  Segundo o CIMI (Conselho Indigenista Missionário), organização que defende os direitos indígenas, Marinalva esteve há 20 dias em Brasília, junto com uma comitiva, para contestar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) referente à anulação do processo de demarcação da Terra Indígena Guyraroká.

A CESE manifesta sua indignação frente à situação dos indígenas e comunidades tradicionais.

Confira abaixo a carta da CESE em apoio aos Guarani-Kaiowá.

.

Até onde suportaremos essas crônicas de mortes anunciadas?

A situação das terras indígenas no Mato Grosso do Sul e a repetição de violência e assassinatos como a que acabou de ocorrer nas áreas dos Guarani-Kaiowá, agora com o sacrifício de uma de suas lideranças femininas – Marinalva Manoel, de apenas 27 anos, é o retrato do grau insuportável de violência e impunidade que tristemente se naturaliza, pela teimosia dos povos originários que apenas querem viver do seu jeito em suas próprias terras.

A brutalidade de seu assassinato a facadas, em uma estrada próxima a Dourados, apenas 15 dias depois de ter participado de ato de protesto junto ao STF pela não homologação da Terra Indígena Guyraroká, é sintomática das represálias para quem ousa alterar a lógica “modernizante” do agronegócio. Marinalva lutava pela demarcação da Terra Indígena de Ñu Verá e integrava o Grande Conselho Guarani-Kaiowá da Aty Guasu – principal articulação desses povos.

Ironicamente, a CESE esteve semana passada na região onde vivem os Guarani-Kaiowá, e também com os Tupinambá de Serra do Padeiro, sul da Bahia, duas realidades que considera prioritária em sua missão de afirmar a vida e o respeito aos Direitos Humanos. A necessidade de fortalecer organizações populares no Centro Oeste é imperativo pela gravidade de violações aos direitos dos povos indígenas e de outras populações tradicionais que secularmente vivem naquela região. A assessora de projetos e formação da CESE, Olga Matos, voltou otimista com as boas práticas no campo da agroecologia que viu por lá e o ânimo das comunidades tradicionais, a despeito do quadro de tensão e violência permanente. Avalia que há um misto de corresponsabilização dos governos locais e instâncias federais, seja do Judiciário ou do Executivo, especialmente pela omissão do Ministério da Justiça, fato que se repete também em outros casos e na Terra Indígena Tupinambá, cuja Portaria Declaratória, há meses dormita em suas gavetas para ser assinada.

A CESE historicamente tem se solidarizado com os direitos dos povos indígenas, quilombolas e demais populações tradicionais. Neste momento de transição governamental, chama a atenção dos órgãos e ministros do Executivo e do Judiciário a se colocarem ativamente na mediação do conflitos e superação do quadro de impunidade, acelerando a responsabilidade dos mandantes e executores que martirizaram Marinalva Manoel na sua luta pela Terra Sem Males, onde não haveria doenças, nem fome, nem guerras.

Salvador, 05 de novembro de 2014

                                                                                                                                                                                                                                           

Cordenadoria Ecumênica de Serviço


Warning: Use of undefined constant rand - assumed 'rand' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/cese/www/acervo/2017/wp-content/themes/ribbon/single.php on line 35

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *