Asas do Cerrado promove formação em advocacy e direitos humanos  para lideranças clericais e leigas – Movimentos Sociais | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Movimentos Sociais Notícias

Data: 28.01.22

Asas do Cerrado promove formação em advocacy e direitos humanos  para lideranças clericais e leigas

 

Iniciativa contemplada no Programa de Apoio a Pequenos Projetos da CESE formou 150 pessoas para o protagonismo na defesa de direitos humanos

A Associação Social Anglicana de Solidariedade do Cerrado (Asas do Cerrado) apostou na formação de pessoas para conscientização de direitos e fortalecimento da defesa das pessoas mais vulneráveis. Para isso, realizou o projeto Advocacy e Direitos Humanos – Asas do Cerrado, liderado pela Diocese Anglicana de Brasília. Contemplada pelo Programa de Apoio a Pequenos Projetos da CESE, a iniciativa alcançou 150 pessoas.

De acordo com o Reverendo Rodrigo Espiúcia dos Anjos Siqueira, “foi possível alcançar cerca de 150 pessoas da liderança clerical e leiga da Diocese que, após a conclusão do programa formativo, estão capacitadas a identificar, por exemplo, situações de violência doméstica contra a mulher, bem como, são capazes de direcionar uma eventual demanda perante os órgãos de defesa dos direitos”. O programa trouxe em seus conteúdos a divulgação das normas de direitos humanos em vigor. “As pessoas passam a estar mais atentas à sua realidade circundante, sendo capazes, desse modo, de assumir o protagonismo na defesa dos direitos humanos de si e das demais pessoas com quem convivem” afirmou o religioso e coordenador do projeto.

A formação foi realizada à distância, empregando debates virtuais sobre temas relevantes, alcançando pessoas de diversas regiões do país, desde o Rio Grande do Sul, passando por Goiás, Brasília e até Rondônia. Um dos destaques da formação foi a conversa sobre violência doméstica. “A palestra oferecida foi seguida de profícuo debate acerca dos caminhos e possibilidades de defesa dos direitos das mulheres em situação de violência doméstica. Ao final da atividade ficou registrado o desejo das pessoas participantes em continuar o debate e aprofundar os conceitos e instrumentais obtidos” contou Siqueira.

Além da formação, o projeto previu o aprimoramento e revisão de estratégias de advocacy que estejam em curso nas iniciativas locais e regionais e o fomento à produção de podcasts semanais educativos em direitos humanos. A formação envolveu temas como Direitos Humanos, Advocacy nos contextos municipal e estadual, processos públicos, políticos e decisórios no Brasil, produção e organização de podcasts e mídias sociais e direitos humanos.

A atividade conclusiva do ciclo de oficinas será a participação de cada pessoa beneficiária do curso em uma audiência pública no congresso nacional, seja na câmara das deputadas e deputados ou senado federal, na condição de ouvinte. O coletivo decidirá sobre um tema de direitos humanos, para que a entidade religiosa possa promover a realização de uma audiência pública popular, com a participação de pessoas convidadas que atuem na defesa dos direitos humanos.

Direitos sociais – A organização Asas do Cerrado tem como missão proporcionar ações de conscientização de direitos para transformar a realidade da população em situações de vulnerabilidade e risco pessoal e social. A associação comunga do desafio de enfrentamento das desigualdades sociais e melhoria da qualidade de vida de grupos em situação de vulnerabilidade social e econômica. Os projetos sociais desenvolvidos pela Asas do Cerrado não visam a evangelização, mas a garantia de direitos sociais.

De acordo com o Reverendo Rodrigo Siqueira, “a realização da parceria com a CESE foi imprescindível para a viabilização das atividades promovidas na formação em advocacy e direitos humanos”. Ele acrescentou que além de garantir às pessoas interessadas oportunidades de discussão e aprendizado acerca de temas relevantes em direitos humanos, tais como violência de gênero, defesa de direitos humanos e ambientais, “a parceria realizada permitiu percebermos a necessidade de intensificar os processos formativos em direitos humanos como um caminho eficaz para a realização das necessidades fundamentais à existência humana com dignidade”.