Assembleia aprova relatório anual e soma força a comunidades pesqueiras de São Félix (BA) – Ecumenismo | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Ecumenismo Notícias

Data: 07.06.19

Assembleia aprova relatório anual e soma força a comunidades pesqueiras de São Félix (BA)

Representações de organizações ecumênicas, movimentos populares, a equipe da CESE e igrejas que  a compõem visitaram na quinta (06/06) comunidades pesqueiras de São Félix (BA), que vivem às margens do Rio Paraguaçu. A imersão na realidade do Recôncavo baiano permitiu: vislumbrar os impactos que os moradores e moradoras da região (que são basicamente trabalhadores/as da pesca) sofrem, em razão da ação de megaempreendimentos; e concretizar uma das missões da Assembleia anual da Coordenadoria Ecumênica de Serviço, que consiste em sensibilizar e reunir confissões de fé para as lutas por direitos de grupos populares.

ÁLBUM DE FOTOS: 

https://www.flickr.com/gp/140794615@N04/85Nn1P

https://flic.kr/s/aHsmEaHVzU

Nesta edição, a Assembleia se sintonizou com a agenda da Semana de Oração pela Unidade Cristã 2019, que chama a atenção para os crimes ambientais provocados pelos interesses econômicos de grupos financeiros que têm na mineração a sua geração de riquezas – e que ainda fizeram morrer o Rio Doce, o Rio Paraopeba e com ameaças ao Rio São Francisco.

Durante visita ao território e à roda de diálogo, a comunidade local relatou que a poluição das águas vem sendo ocasionada pela junção dos seguintes elementos: despejo de dejetos no rio pela ETE (Estação de Tratamento de Esgoto de Muritiba); liberação de resíduos da fábrica de curtume (a Mastrotto Reich); e represamento das águas pela Barragem de Pedra do Cavalo e ação da usina hidrelétrica

Moisés Borges, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), informa que, no Brasil, já existem 1 milhão de atingidos. “Essas empresas nos consideram como ‘afogados’, como se não tivéssemos história. Esse passivo [que elas acarretam] tem que ser pago. Não só o dinheiro, mas em políticas públicas também”, adverte Moisés. “Existe um padrão de violação de direitos na construção de barragens no Brasil. O MAB vem pra somar na luta que vocês fazem nessa região. Quando unificamos força e vamos pra cima, conseguimos arrancar o que nos é de direito, nossos direitos fundamentais”.

Romi Bencke, do Coselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic), reforça que essa não é uma problemática que deve ser preocupação apenas das populações afetadas. “O Brasil, a América Latina tem muita água e esta será a guerra do século 21. Eu gostei muito da fala do companheiro do MAB, quando disse que se a pedra bateu num companheiro aqui da Bahia a pessoa lá do Sul precisa sentir, porque a água é o que nos une. Acho que também a água é o que vai abrir uma enxurrada contra o fundamentalismo que muitas igrejas tem sentido ultimamente”.

Ana Gualberto, de Koinonia, reflete sobre as saídas que vê para os problemas da comunidade. “Atuo nas comunidades do Baixo Sul, em Camamu, que estão sendo impactadas por três empresas de mineração. A gente precisa compartilhar experiências e unir forças, precisamos estar junto desses outros movimentos que estão na luta pelos seus territórios, unificar essa luta pela água e garanti-la como direito”.

Foi apresentada também, durante a roda, a campanha de conservação da Bacia Hidrográfica do Rio Paraguaçu, que nasceu diante da morte do rio Utinga, em 2015, quando dezenas de ribeirinhos ficaram sem água pela primeira vez por 45 dias.

A reunião foi permeada por diversas expressões culturais, como apresentação de roda de samba de grupo mirim, percussão do projeto Afro Descendente, cânticos e feirinha de artesanato e comidas típicas. Diante da riqueza das trocas e dos compromissos assumidos para o fortalecimento das lutas dos pescadores e pescadoras da região, Antonio Bastos de Oliveira Neto, mais conhecido como Taffarel, pondera: “a vinda de vocês aqui mostra que nós não estamos sozinhos e também para reverberar para o poder público. Mostra também para a comunidade que é possível a gente continuar sonhando”, avalia o representante do Instituto Afroamérica, concluindo a visita da Assembleia da CESE ao município de São Félix.

Colaboraram também com as discussões da tarde de quinta o Conselho dos Pescadores (CPP) e Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP).

Uma carta ( Carta Assembleia CESE 2019),  reivindicando providências sobre as violações de direitos na região foi redigida pelo grupo para encaminhamento a Prefeitura de Muritiba e de Cachoeira, Ministério Público Estadual e Grupo Votorantin.

PARECER SOBRE O RELATÓRIO

 

No segundo e último dia (07), o grupo se reuniu na CESE para avaliação do relatório de atividades e financeiro da CESE (2018) e análise das propostas de alteração do atual Estatuto. Todo material foi aprovado, sem ressalvas.

Uma mística que remete ao tema da água como bem comum congregou as representações das igrejas e organismos ecumênicos presentes, finalizando a Assembleia Geral 2019.