Nota de Apoio e Solidariedade ao Povo Yanomami – Ecumenismo | Movimentos Sociais | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Ecumenismo Movimentos Sociais Notícias

Data: 06.05.22

Nota de Apoio e Solidariedade ao Povo Yanomami

Nós, comunidades de fé e organizações parceiras da Amazônia, tomamos conhecimento, com extremo estarrecimento e tristeza, de mais uma denúncia de um grave caso de violência contra crianças e adolescentes yanomamis por parte de garimpeiros ilegais na comunidade Arakaçá, na Terra Indígena Yanomami, em Roraima.

As denúncias incluem o estupro e o assassinato de uma menina de 12 anos e o desaparecimento de uma criança de 3 anos. Além disso, estamos há mais de 06 dias sem notícias dos 25 parentes indígenas que moravam nesta comunidade e cujas casas foram queimadas por garimpeiros da região.

Esse fato soma-se a uma série de outros atos de violência praticados contra crianças e adolescentes indígenas, incluindo a violência sexual, cometidos por garimpeiros que atuam de forma ilegal em Terra Yanomami.

Manifestamos, neste momento de dor, nosso apoio e inteira solidariedade a todo o povo Yanomami, de forma mais terna aos familiares das crianças vítimas da sanha inescrupulosa dos garimpeiros que agem na região. Estendemos esse apoio e solidariedade a todas as vítimas de violência e tráfico de crianças no Brasil.

Ao mesmo tempo, reafirmamos nosso compromisso com a luta em defesa do bem viver, dos direitos humanos e da democracia.

Também exigimos que a Polícia Federal siga com as investigações já iniciadas, e pedimos urgência e prioridade às autoridades competentes na apuração das graves denúncias para identificar e responsabilizar os envolvidos.

Também exigimos que a Polícia Federal siga com as investigações já iniciadas, e pedimos urgência e prioridade às autoridades competentes na apuração das graves denúncias para identificar e responsabilizar os envolvidos.

Endossamos, aqui, o grito de nossos parentes Yanomamis contra a atividade garimpeira, a mineração, o desmatamento desenfreado e o enfraquecimento dos órgãos de proteção indígena e fiscalização ambiental como FUNAI e IBAMA.

Denunciamos a forma omissa como o Governo Brasileiro vem tratando nossa região amazônica e todos os povos que aqui habitam e protegem, com seus conhecimentos e suas vidas, este chão sagrado que, neste momento, é duramente atacado.

Afirmamos a necessidade da efetivação das legislações vigentes em defesa da vida humana e da natureza, e da proibição da mineração em terras indígenas ou de quaisquer práticas danosas ao meio ambiente. Também exigimos que os governos da região condicionem as expedições de licenças ambientais à Consulta, prévia e informada dos povos e comunidades tradicionais, conforme estabelece a Convenção 169 da OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Por fim, oramos por toda a nossa Amazônia, oramos por seus povos e comunidades tradicionais que guardam com suas vidas esse belo Jardim do Coração de Deus, e rogamos a força necessária nessa hora da vida para defender nossos parentes e proteger a Terra-Floresta.

Subscrevem esta nota junto com a REDE AMAZÔNIZAR seguintes instituições:

– CESE: Coordenadoria Ecumênica de Serviço

– AMARN NUMIÃ KURA

– Rede Um Grito pela Vida.

– Diocese Anglicana da Amazônia.

– CONIC: Conselho Nacional de Igrejas Cristãs

– Bispado Primaz do Amazonas/Fraternidade Amigos do Evangelho

– PAD: Processo de Articulação e Diálogo entre Agências Ecumênicas e Parceiros Brasileiros

– Koinonia Presença Ecumênica e Serviço

– CAIC -Conselho Amazônico de Igrejas Cristãs.

– Coletivo Mulheres Políticas Públicas e Sociedade – MUPPS

– Missionários Combonianos.

-VIVAT INTERNACIONAL/BRASIL

-Associação de Direitos Humanos e Meio Ambiente na Amazônia ADHMA

– Comissão VERBITA JUPIC- Justiça, PAZ E INTEGRIDADE DA Criaçao

– Comitê Dorothy

– Instituto das Irmãs da Santa Cruz

– Feact- Brasil- Fórum Ecumênico Act- Brasil.

– CEBI- Centro de Estudos Bíblicos

– IPU – Igreja Presbiteriana Unida do Brasil.

– CIMI – Regional Amazônia Ocidental.

– CIMI – Regional Norte.

– CIMI – Regional Norte 2

– Rede Eclesial Pan Amazônia- REPAM Brasil

– Fraternidade Ortodoxa São Nicolau / Igreja Ortodoxa da Gália no Brasil.

I- ITEPES – Instituto de Teologia Pastoral e Ensino Superior da Amazônia .

– ASPSEA – Associação de Assistência Social e Promoção

à Saúde do Estado do Amazonas

– Articulação Francisco e Clara