Um dia, infinitas lutas: 8 de março Pela Vida das Mulheres! – Movimentos Sociais | Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Movimentos Sociais Notícias

Data: 08.03.22

Um dia, infinitas lutas: 8 de março Pela Vida das Mulheres!

Não é só mais uma manifestação. Ocupar as ruas para defender a vida das mulheres em 2022 tem significados extraordinários. Nos atos deste 8 de março, a ordem que naturaliza a violência, a exploração e o ódio às mulheres é contestada de maneira contundente. É também lançado um chamado a imaginarmos e construirmos um mundo em que o feminicídio, o racismo e a fome sejam encarados com horror e responsabilidade coletiva para seu enfrentamento.

Neste ano, as mulheres brasileiras vão às ruas com o peso de lutos acumulados e interditados – pelas 650 mil vítimas da Covid19, em grande parte mortes evitáveis;  pelas quatro vítimas diárias de feminicídio; pelos seus filhos, jovens negros executados; por tantas outras mortes decorrentes de um projeto genocida, racista e misógino, que avança com voracidade sobre os territórios e os corpos das mulheres.

Em 2022, as mulheres brasileiras vão às ruas – de onde, aliás, nunca arredaram pé –  para demonstrar sua indignação contra um governo que não hesita em colocar os interesses de poucos acima do bem comum, que ataca de todas as formas a nossa frágil democracia, que destrói florestas, incita a violência, manipula a fé das pessoas, silencia, mente e persegue, em nome do poder.  As mulheres vão às ruas também para demonstrar que estão alertas, atuantes, e que sem a força política das mulheres não será possível reconstruir e transformar o nosso país.

A CESE, em seu compromisso ecumênico com os direitos humanos, com a justiça social e com a democracia, não só escuta o chamado das mulheres, mas também reforça suas vozes por todo o país, através de gestos concretos de solidariedade a suas lutas.

Nos últimos 10 anos, a CESE apoiou 675 projetos de coletivos, organizações e movimentos populares com ações voltadas para mulheres, com especial atenção às mulheres negras, indígenas e de comunidades tradicionais da região Nordeste, da Amazônia e do Cerrado. Vem também reforçando ações de formação, diálogo e articulação com grupos e movimentos de mulheres, que se traduzem em fortalecimento organizativo, campanhas conjuntas de defesa de direitos e enfrentamento ao fundamentalismo religioso, entre outras iniciativas. As políticas institucionais da CESE para Equidade de Gênero e Equidade Racial, que elaboramos com participação de toda a equipe e diretoria, ganham cada vez mais sentido e concretude, tanto internamente como na atuação externa e nas parcerias estabelecidas pela CESE.

E como não poderia deixar de ser, neste 8 de março e sempre, a CESE também estará nas ruas, Pela Vida das Mulheres!