CESE marcha pela democracia na abertura do Fórum Social Mundial – Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Notícias

Data: 14.03.18

CESE marcha pela democracia na abertura do Fórum Social Mundial

Na 13ª edição do Fórum Social Mundial (FSM) e no ano em que a CESE completa 45 anos de atuação, a equipe de funcionários (as) se juntou aos milhares de militantes para clamar contra as violações de direitos sofridas em todo o mundo. Movimentos sociais, organizações populares, centrais sindicais, movimentos estudantis, delegações internacionais e agências de cooperação marcharam em torno do lema do “Resistir é criar. Resistir é transformar!”.

Para Dimas Galvão, Coordenador de Projetos e Formação da CESE, a participação da CESE no Fórum é uma oportunidade única, já que se trata de um evento para refletir sobre o contexto mundial de lutas por direitos travadas em todos os pontos do planeta: “O Fórum é momento alvissareiro. Estamos animados e animadas para participar. Espero que esse Fórum traga novas luzes para refletirmos sobre a realidade brasileira e avançarmos no processo de resistência  para construir uma democracia plena e uma sociedade mais justa.”.

     

É a primeira vez que o evento é realizado em uma cidade do Nordeste desde que foi criado, em 2001. E apesar das dificuldades de organização, por conta da limitação de recursos e por causa da conjuntura desfavorável, a CESE tem a chance de dialogar e ouvir de forma mais direita os segmentos que apoia.  “Apostamos no Fórum, porque esse intercâmbio ajuda a CESE a refletir seu papel neste cenário, para que desenvolva políticas e estratégias de enfrentamento à violação de direitos no contexto de retrocessos.”, aponta Dimas Galvão.

Maria  Conceição da Cruz que veio do município de Codó (MA), está acampada na CESE, trabalha com agricultores e agricultoras extrativistas na economia solidária e íntegra a Associação de Formação e Capacitação dos Cocais. Ela destaca os motivos de estar no FMS 2018: “Estou aqui para dizer não a Temer, dizer não aos projetos e decisões do governo sem consultar o povo.” E completa sua fala com a esperança que grupos populares consigam avançar em suas lutas: “Acredito na força popular, na organização do povo do Brasil e do mundo que há uma esperança de transformar os dias difíceis que estamos vivendo.”.

   

Com essa mesma expectativa de mudança, Silas Santos, organizador do Acampamento Intercontinental da Juventude, destaca a importância da participação da Juventude na Marcha de Abertura do FSM: “Enquanto juventudes organizadas, participar desse ato é pautar, é mostrar que nós estamos presentes, que resistimos e lutamos! Porque na atual conjuntura política o que mais temos feito é resistido, se reinventado e criado novas maneiras de dialogar, de debater políticas públicas e resistir aos golpes e direitos ameaçados.”, afirma Silas. Para ele, a juventude tem o poder e a dinâmica de readaptação e resignificação, e o Fórum é um espaço propício para as novas ideias de resistência e transformação.

O FSM 2018 segue até o próximo dia 17 de março. Confira aqui a agenda da CESE no FSM 2018!