É momento de fazer memória, mas não é tempo de parar: a hora é agora! – Notícias | Cese | Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Notícias

Data: 10.12.20

É momento de fazer memória, mas não é tempo de parar: a hora é agora!

No dia 10 de dezembro, o mundo volta o olhar para celebrar o Dia Internacional dos Direitos Humanos. Uma data histórica instituída pela ONU no pós-guerra como resultado das muitas revoltas populares e lutas das organizações sociais por direitos para todos e todas.

As lutas sociais pelo direito à terra, à liberdade de ir e vir, de votar, dos direitos civis, políticos e sociais atravessaram séculos. E mesmo com a Declaração Universal afirmando e reconhecendo os direitos de todos e todas independentemente de sua classe social, etnia, gênero, nacionalidade e proclamando o respeito às diversidades e diferenças, a luta por direitos fundamentais ainda se faz tão presente e necessária, especialmente quando vemos no nosso país o Estado sendo o principal violador dos nossos direitos. São os movimentos organizados que continuam, como sempre fizeram, lutando por vida digna de pessoas em situação de rua; por equidade racial e de gênero; para defender águas, matas e florestas; pela demarcação de territórios dos povos indígenas, pesqueiros e quilombolas; pela soberania alimentar; para preservar nosso futuro, com a juventude negra viva; pela liberdade religiosa e convivência respeitosa entre confissões de fé e religiosidades.

Desde 1973, a CESE finca suas raízes e se renova, sintonizada com o fortalecimento de direitos de grupos populares, especialmente nesse momento de vulnerabilização dos mais empobrecidos com a pandemia do Covid-19.

Diante de tantos retrocessos e ameaças, o dia de hoje não é de celebração, mas de redobrar a atenção para não perdermos as conquistas que tivemos, demarcar bandeiras e não esquecer das violações profundas de direitos que estamos vivenciando nesse momento tão desafiador, de crescimento das intolerâncias, de discursos de ódio, assassinatos e criminalização de lideranças, vigilantismo e cerceamento de liberdade de expressão.

 

NÃO ESQUECEREMOS:

– que já tem mais de 1.000 dias que Marielle e Anderson foram mortos e ainda não temos a resposta: “quem mandou matar Marielle”?

– que o desmatamento e as queimadas no Brasil atingiram índice recorde nos últimos dois anos

– a flexibilização progressiva do uso de armas no país

-das mortes da menina Ágatha, de Miguel, as primas Emily e Rebeca, João Alberto: quantos mais jovens, crianças e negros/as serão mortos em decorrência do racismo estrutural?

– do aumento da violência contra mulheres e feminicídio nesse período de isolamento social

– o vergonhoso 1º lugar que o Brasil ocupa no ranking de país que mais mata transexuais e travestis

– a intolerância religiosa, expressa no registro de uma denúncia a 15 horas de violência principalmente contra adeptos/as de religiões de matriz africana, como candomblé e umbanda

– e não esqueçamos: já são quase 180 mil brasileiros e brasileiras morto/as em decorrência da Covid-19 e cerca de 6 milhões de contaminados/as. E a segunda onda está retomando o crescimento do índice de mortalidade e fragilização do Sistema Único de Saúde.

 

É MOMENTO DE FAZER MEMÓRIA, MAS NÃO É TEMPO DE PARAR. A HORA É AGORA! PRA FRENTE, MULHERES E HOMENS DO CAMPO, DA CIDADE, DAS ÁGUAS E DAS FLORESTAS!